Jogar para recrutar: a vez é do gamification nos processos seletivos

Jogar para recrutar: a vez é do gamification nos processos seletivos

publicado em 20/12/2021 às 15:18

Apesar de ser difícil saber ao certo quando o termo gamification surgiu, a comunidade acadêmica atribui a autoria ao britânico Nick Pelling, programador britânico que teria cunhado o conceito na década de 1970. Todavia, por trás do nome o significado era bem distante do que conhecemos atualmente. A gamificação, na época, estava relacionada ao desenvolvimento de novas tecnologias, como softwares e, fazendo jus ao nome, jogos digitais.

Quatro décadas depois, o gamification foi ressignificado. A expressão ganhou força com livros, como Gamification – 2ª edição revisada e ampliada: Como Criar Experiências De Aprendizagem Engajadoras, o escrito pela Flora Alves, CLO da SG, e o Jogar para Aprender (que inspirou o título do post!), escrito por Karl Kapp e no universo corporativo como uma ferramenta de aprendizagem e uma metodologia criativa para uso em apresentações, vendas, treinamentos e muito mais.

Contudo, a gamificação, que já deixou de ser uma tendência com muito potencial para se tornar uma poderosa realidade, pode ter o uso ainda mais expandido, sendo, por exemplo, um recurso de extrema valia para processos seletivos.

Hoje, muito se fala sobre a importância do uso de inteligência artificial no recrutamento e seleção. É bem verdade que os algoritmos, quando corretamente desenhados, são determinantes para tornar o processo mais ágil e assertivo tanto para candidato quanto para o recrutador – além de ajudar a economizar tempo e dinheiro. Em contrapartida, é fundamental que o uso de estratégias tecnológicas não se sobressaia ao lado humano da seleção. Nesse ponto, o gamification desempenha um papel de equilíbrio.

A estratégia é engajadora para entrevistas individuais e igualmente para dinâmicas em grupo. Uma vez que os jogos são incorporados à seleção, os candidatos se sentem desafiados a seguir em frente no que é proposto – diferentemente de muitos testes “tradicionais” que mais desmotivam os que disputam à vaga do que estimulam, principalmente porque nem sempre o seu propósito fica claro. É, também, uma tática que não deixa o processo seletivo cansativo.

Com o apoio dos games, os candidatos têm a sua disposição a oportunidade de demonstrar suas soft skills.

Deixe a SG levar os jogos até você!

Segundo a pesquisa Game Brasil 2020, realizada pelo Sioux Group, 73,4% dos brasileiros utilizam plataformas eletrônicas para jogar. Apesar de somente 28,6% alegarem conhecer especificamente o que é a metodologia do gamification, entre todos aqueles que já participaram de alguma dinâmica envolvendo gamificação, 91,7% disseram que a experiência foi positiva e agregadora. Os dados deixam claro que estratégias corporativas com base em games podem não somente ser as “queridinhas” do RH e das lideranças, como também podem deixar candidatos e funcionários satisfeitos.

O desenho de soluções que envolvam jogos, seja para recrutamento, aprendizagem ou qualquer outra necessidade, envolve muito planejamento. É necessário ter um cuidado especial tanto para tornar o game atrativo quanto para compreender o que exatamente ele exigirá do candidato e como isso será favorável ao feedback e à avaliação do recrutador.

Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course
download lava firmware
Download Nulled WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=
Gostou? Compartilhe:

Mais do nosso blog

Você também pode se interessar por esses conteúdos

Confira nosso blog